TEMA MÍSTICOS

318 - LÁ FORA, A VIOLÊNCIA DESMEDIDA

 

Lá fora, a violência desmedida

Uma criança sofre estupro

Outra criança pula defunto

Há sempre uma criança

com rosto espancado

que não chora mais

Ganhou olhos negros profundos

como o poço de satanás

 

E uma bola

como um planeta obscuro

rolando rolando

entre tudo

 

Lá fora ,a loucura

Mulheres vestem luto

e ninguém mais pergunta

quem morreu

Um anão e um corcunda

celebram a morte de DEUS

 

E uma bola

em sinuca

na imensidão

rolando rolando

sem pouso

sem chão

 

Lá fora, a morte

O amoníaco das latrinas sobe

aos céus como uma oferenda

de carmiça putrefante

Cheiradores de pó. Prostitutas.

Vadios. Mendigos. Assassinos.

Políticos de mãos peludas

festejam o reinado do maligno

com urros uivos horripilantes

nesta cidade absurda

 

E uma bola

perdida

rolando rolando

à deriva

sem leis sem luz

no movimetnto perpétuo

do drama cósmico

 

Rolando rolando

como as sementes

que encontram nos passaros

uma pausa provisória

 

Rolando rolando

como o ovo

na trompa de falópio

 

PORTANTO

VIESTE PARA ISTO

Não discuta!

Chuta !

 

E tal qual a bola rolou, rolando ainda, rola

Rolando rolando

por rolar, rolou, foi rolando, rolará, lalá, lalá

 

ANTERIOR -- (poema) -- PRÓXIMO

MENU MÍSTICOS 301-325