TEMA CONFESSIONAIS

229 - ESTA NOITE INSUBMISSA

 

Esta noite insubmissa

em que me debruço

como um caderno de rascunhos

manuseado temido

sempre adiado

 

Sílabas riscos rasuras

Tudo lançado fora

Nenhuma reta ou figura

ou lua ou palavra nova

Ah, esta noite, eu a decifro

ou ela me devora!

 

Tudo parece tão só

Tão díspare Tão distante

Sem senha

Tenho medo dos lápis

desta noite

que me desenham

 

Tenho medo

do confronto

com este outro lado do espelho

Foram tantos equívocos

desencontros erros

 

Nesta noite sem canto

aquele gato negro a andar

sobre o muro branco

é um piano estranho

que acompanha meu silêncio

num curioso dueto

 

 Hoje ,nesta noite,

peço apenas a paz

 que tenho direito

Mas um café forte preto

também aceito

Ah, guarde o meu

anti-depressivo

no açucareiro!

 

ANTERIOR -- (poema) -- PRÓXIMO

MENU CONFESSIONAIS 226-250